/*------------------- Blogger Theme by Bruna Borges - © 2013 (HTTP://ENDSTONIGHT.TUMBLR.COM/) Não se inspire ou Copie. Base: Minina ------------------------ */

29 de dezembro de 2014

Novo Capítulo



Cheguei com o 3° capítulo do livro que estou escrevendo mais apimentado eheuheeuhe 

Nome do Livro: Indefinido
Autora: Emily Oliveira
Gênero: New Adult (contém sexo e palavrões por ser um NA)

Capítulo 3


  - Tchau, mãe! – disse acenando, enquanto ela me deixava na escola pra festa.
  - Tchau, querida, divirta-se! – acenando de volta pra mim.
Eu só assenti, eu ia me divertir muito, ou esperava isso, mas de uma coisa eu sabia eu estava gata nessa roupa, o que me deixou mais pra cima. Entrei na festa, quem tinha feito a decoração tinha acertado, estava o máximo. Agora eu precisava saber, ele realmente veio? Ele queria realmente me ver na festa? Ou só estava tirando uma com a minha cara?
  - Dricaaaaaa! – ouvi Thais gritar, me tirando dos meus pensamentos, ela estava com Gaby vestida de capetinha enquanto Thais era totalmente o oposto ela estava de princesa.
  - Oiiii! – respondi, tentando ficar tão animada quanto ela.
  - Não sabia que você ia vir.
  - Nem eu, mas uma pessoa me convenceu. – respondi, abaixando meu olhar para os pés enquanto dava um pequeno sorriso.
  - E quem foi? – perguntou ela
Ai, meu Deus, e agora? Eu não podia dizer a verdade.
  - Meninas! – disse Alice, agradecendo ela ter aparecido para eu não ter que responder.
  - Você veio, não sabia se viria! Gostei da sua fantasia, Alice no País das Maravilhas? Não sei por que combina com você. – falei, abraçando-a e soltando uma risada.
  - Eu também vim! – olhei por cima do ombro de Ali, e lá estava Leila de vampira.
  - Leila! – dissemos juntas – Você conseguiu convencer sua mãe, que bom, estamos todas aqui! – completei
Então paralisei, ele estava ali vestido de zorro, combinou com ele já que zorro é um tanto charmoso e misterioso, olhei para ele por um tempo até que nossos olhos se encontraram, ficamos nos olhando por um tempo até que ele estava vindo em nossa direção, cada passo que ele dava mais eu ficava com falta de ar.
  - Olá, garotas!
  - Oi! – falaram como se fossem um coral, enquanto eu estava paralisada.
  - Hey, Drica quer dançar, ou beber alguma coisa?
Ele estava me perguntando isso, não ele não podia, eu não podia aceitar, Alice estava bem ali do meu lado.
  - Acho melhor não. – respondi, me surpreendendo com minha voz firme.
  - Pode ir Drica, nós não nos importamos – Alice disse, com um ar chateado.
Ela achava que ele tinha ido lá por ela, eu também queria que tivesse sido por isso.
  - Ok. – apesar de não ser o eu queria, mas eu não ia bancar uma de criança, cruzar os braços e fazer birra.
  - Vamos – ele disse, me oferecendo o braço que eu segurei com as mãos.
  - Então, me fale um pouco sobre você, está namorando? – perguntou enquanto dançávamos
Por que ele estava me perguntando isso, isso estava errado, não era eu pra estar lá era Ali quem devia, somente balancei a cabeça com medo de que se eu falasse algo iria desmoronar.
  - Como alguém como você não está namorando? – ele estava mesmo surpreso?
  - As pessoas não costumam olhar para mim, não desse jeito. – pronto, estava explicado.
  - Então acho que são todos cegos. – ele estava mesmo tentando me animar, e ele conseguiu.
Mas ainda não achava isso nem um pouquinho certo, ele estava me elogiando, ele disse que eu era desejável ele estava apenas querendo ficar comigo, ou ele realmente achava tudo isso.
  - E você está namorando? – perguntei.
  - Não, mas pretendo mudar isso hoje. – respondeu, me fazendo corar.
Só podia ser pegadinha como um cara como Jake, que podia ter todas aos seus pés estava ali bem perto de mim, me azarando? E eu estava vermelha podia sentir, ainda bem que eles tinham desligado a luz e deixado somente o jogo de luz, obrigada Senhor, ele não iria me ver mas aposto que podia sentir eu tremendo.
  - Aqui está muito cheio, vamos pra um lugar mais reservado.
  - Ok.
Quando chegamos em uma sala, ele fechou a porta. Opa! Isso não podia ser nada bom, ele me jogou contra a parede e eu fiquei paralisada.
  - O que você está fazendo? – perguntei, como se eu não soubesse.
  - Você é tão linda, como não te vi antes? E esses seus lábios carnudos, você me deixa beijá-los?
Antes que eu pudesse protestar, sua boca estava sobre a minha tão suave e macia, me entreguei completamente aquele beijo, que na realidade era o meu primeiro beijo, esperava que ele não percebesse a minha falta de experiência já que ele tinha de sobra, sua língua entrou na minha boca faminta, ele realmente queria aquilo mas eu...eu o que eu estava pensando mesmo? Ele me colocou em cima da mesa e começou a beijar meu pescoço, meu  Deus, eu não ia aguentar se ele quisesse arrancar minha roupa ali mesmo, eu deixaria.
  - Delícia! – gemeu, enquanto subia de volta a minha boca, beijando minha mandíbula e meu queixo.
Enquanto ele passava as mãos por todo o meu corpo e eu estava permitindo isso, eu não queria mas não era o que meu corpo estava dizendo, até que ele chegou nos meus peitos.
  - Oh, meu Deus! Eu quero ver esses peitos, eu quero você nua! – sussurrou no meu ouvido.
Quanto mais coisas ele dizia mais excitada eu ficava, apesar de não ter peitos grandes pois eu só tinha 15, eu entrei atrasada na escola isso explicava eu ter 15 e estar na 8° série mas ele parecia ter gostado do que tinha pegado, então eu assenti e parece que ele ficou mais animado porque começou a tirar minha roupa, e eu realmente não me importava que estava na escola eu só queria que ele me tocasse mais e mais, então eu ajudei ele a tirar meu vestido e em seguida meu sutiã.
  - Tão redondos. – disse arregalando os olhos enquanto olhava meus seios e enfiava um na boca.
Quanto mais ele sugava mais eu gostava então eu agarrei ele com as pernas pela cintura pra puxar ele mais pra perto senti sua ereção bem no meu clitóris, o que fez eu gemer alto.
   - Porra! Você é muito gostosa, eu quero entrar em você!
Merda, aquilo me fez voltar a realidade, eu não podia fazer isso, o que eu era uma puta! Eu reclamava da minha vida sem graça mas isso era emoção demais para uma garota de 15, eu não ia perder minha virgindade com ele, nem muito menos na mesa de uma escola, eu empurrei ele para longe.
   - Nós não podemos fazer isso. – disse, me levantando para pegar meu sutiã.
   - É claro que podemos, gata! – falou, com um sorriso safado e sexy no rosto, o que só fez eu pirar ainda mais, mas eu sabia eu não podia fazer aquilo, primeiro se eu fizesse seria uma vagabunda e segundo eu estaria traindo minha melhor amiga.
   - Não, não podemos se você não percebeu estamos na escola, e eu só tenho 15 anos, não vou fazer isso com você. – rebati, já quase toda vestida.
   - Caralho, você tem 15 anos? Não é o que seu corpo diz, mas se você não quer que eu entre nessa sua bocetinha, está tudo bem, não vou te obrigá-la.
Foi a ultima coisa que ouvi, na mesma hora liguei para mamãe pedindo que viesse me buscar, essa festa deu o que tinha que dar, sem fazer perguntas, agradeci muito ela por isso, ela simplesmente concordou, ela apareceu meia hora depois eu não encontrei as meninas, graças a Deus não ia conseguir olhar na cara de Alice depois do que tinha acontecido, eu vou ter que ter essa conversa com ela mas não agora, cheguei em casa fui direto pro meu quarto, chorar como eu podia ser tão idiota e fazer tanta merda, eu deixei um garoto qualquer quase tirar minha virgindade e ainda por cima o garoto que minha amiga era a fim, eu não merecia a amizade dela, eu teria que compensá-la de alguma jeito.

                                                                 - xxxxxx -

Passaram algumas semanas desde a festa, eu já estava de férias assim eu não teria que cruzar com as meninas por um tempo.
   - Filha, lembre-se hoje é o dia – ouvi minha mãe dizer atrás da porta.
Hoje é o dia? Que merda de dia?
   - Dia de que mãe? – perguntei, ainda confusa
   - Ué, o dia que você vai começar no Rosy’s.
Ai, não, passaram algumas semanas mas não imaginava que hoje era segunda, fazia sentido já tinha passado duas semanas desde o Natal eu tinha feito as contas, essa não eu teria que encontrar as meninas mas eu também sabia que eu iria encontrá-lo, e isso só podia dar em mais merda.
   - Ok, mãe. – mas não estava ok, levantei para ir um tomar banho de cinco minutos.
Quando cheguei na cozinha, o café da manhã estava na mesa, nas férias o Rosy’s Club funcionava o dia todo, comi enquanto me preparava psicologicamente para tudo que eu teria que enfrentar no dia de hoje.
Eu estou ferrada.
Espero que tenham gostado desse novo capítulo
by Emmy

Não copie, plágio é crime!
Quer homenagear? Link o blog no seu, não copie o conteúdo sem autorização.